• Carol Capel

Tudo que você sabia sobre a história de Aladdin é uma mentira!

Você que me assiste é fã de Disney?

Certo?

E se você é fã de Disney você provavelmente já assistiu Aladdin?

Óbvio! Porque é um clássico. E é meu filme favorito também. Afinal de contas eu tenho um cachorro com esse nome, não sei se vocês repararam!

O filme do Aladdin, o da Disney é cheio de musiquinhas que ficam na nossa cabeça pra sempre, cheio de romance e super colorido. Mas saibam que a historia real que inspirou a Disney a criar esse filme não tem nada de colorida, muito pelo contrario.

A história original de Aladdin não tem nada de mágica, muito pelo contrário. Ela é sim! TRÁGICA!

Assim como toda história que há por trás das histórias da Disney né?

A história de Aladdin é uma das mais famosas narrativas em todas as literaturas, o clássico que tem a figura de um herói pobre que aprende importantes lições durante o filme. Ele é um DIAMANTE BRUTO, ou seja, que precisa ser lapidado.


Na história de Aladdin existem muitos cenários exóticos, uma boa dose de magia, uma heroína linda, um vilão macumbeiro. Pelo menos essa é a história que você conhece. Certo?

Mas existem muitas outras coisas sobre a história de Aladdin que pouquíssimas pessoas sabem. Essa história, originalmente, é parte dos contos As Noites da Arábia e as Mil e uma noites contadas pela Scheherazade, e não é a Raquel Scheherazade do SBT. É uma mulher lá que inventou as histórias de suspense, praticamente.

A história conta que ela era uma das concubinas do sultão, esse sultão, era muito famoso por matar a sua esposa depois da noite do casamento. Ele só queria ali fazer um sequisinho e depois matava a esposa, No dia seguinte ele procurava uma nova esposa. E a Scheherazade, foi uma das moças obrigada a casar com esse rei, mas em um movimento astucioso planejado para salvar sua vida, decidiu começar a contar uma história ao sultão, mas cada noite se interromperia no meio da narrativa ... então o sultão a manteria viva até a noite seguinte, ou seja, ele nunca saberia o fim da história. Daí o título, Mil e Uma Noites. A história de Aladdin, juntamente com a história de Ali Baba e os Quarenta Ladrões, e as Sete Viagens de Sinbad, o Marinheiro, é um dos mais famosos contos que Scheherazade contou.

Sabe quando um filme termina sem final e você sai do cinema PUTO? Então, agradeça a Cherazada por isso, porque ela quem inventou isso…


Dizem que a Cheradaça era tão esperta que ela não estava apenas fazendo com que o rei não a matasse no dia seguinte, mas sim tentando persuadir o rei para que ele mudasse seu comportamento. E que ela tinha um poder absurdo em cima do rei, poder esse que ninguém conseguia ter antes. Pesquisadores afirmam que depois de ouvir as histórias dela, ele até melhorou como SERUMANINHO… vejam só


Além disso essas histórias começaram a aparecer na forma escrita no século 9 e daí foram compiladas como os contos das Mil e uma noites, mas ninguém sabe exatamente de onde vem essas histórias e nem se essa história da Cherazade é verdade.

Isso é uma história verídica? Não sabemos.

Mas de acordo com os contos da Cheradássa assim é:


A origem do Aladdin.

Para começar, onde Aladdin mora? Não no Oriente Médio. Na versão mais antiga da história que temos, Aladdin é um jovem pobre que vive nas ruas da China. E ele também não é estrangeiro: ele é um menino chinês nativo, não um jovem árabe que acabou na China. (Nem é um órfão: nas primeiras versões da história, Aladdin não é um moleque de rua órfão, mas um menino preguiçoso que mora em casa com sua mãe.)

Aladdin, que a maioria das pessoas hoje associa à Pérsia e ao Oriente Médio graças a filmes como The Thief of Bagdad (1924) e Disney's Aladdin (1992), Hollywood achava que seria muito mais interessante para o público ver uma história que se passasse no oriente médio do que na China.


Algumas outras teorias sugerem que a história de Aladdin apareceu pela primeira vez nas Mil e Uma Noites, ela foi ambientada no "oeste da China", com algumas cenas no norte da África (embora ainda não seja onde Aladim mora).

Compositores e libretistas às vezes escolheram a Pérsia como cenário para o conto, porque Mil e Uma Mil e Uma Noites era daquela região do mundo e, como a China, era um espaço popular e imaginativo para americanos e europeus.

Okay agora que já sabemos que o Aladdin não era nem árabe. Vamos falar uma primeira verdade aqui, como muitas pessoas só tiveram contato com ele através do filme Aladdin da Disney de 1992, muitas pessoas acreditam que aquela história é realmente a história real. Mas não gente. Ele nem árabe era.


Mas todo mundo sabe que se ele não fosse órfão no filme da Disney a historia teria muito menos apelo emocional, e como a gente já viu em alguns vídeos anteriores o Walt Disney adora matar os pais e mães dos personagens nos filmes, então Aladdin não foi a excessão.

O filme do Aladdin era para acontecer em Bagdah. Mas os EUA estavam atacando Bagdah na época da primeira guerra do Golfo. Daí a Disney achou melhor criar uma cidade fictícia chamada Agrabah, e vc pode até querer visitar Agrabah na sua próxima viagem, mas ela não existe, ela foi inventada.


Mensagem de Racismo:

Existem muitas passagens de racismo e que exageram estereótipos árabes na versão da Disney de Aladdin. Vocês sabiam que eles tiveram que mudar a musica original da abertura do filme. Porque nela dizia: Vão cortar sua orelha para mostrar como é bárbaro o nosso lar. Bom, a comunidade árabe que mora nos EUA fez um protesto falando que eles estavam julgando todos os árabes como pessoas bárbaras e que cometem atrocidades. Daí a Disney se tocou e mudou a música.

Na letra da musica dizia que é bárbaro o nosso lar. Depois eles trocaram, para o calor é intenso. Lembram?

mas eu assisti as duas versões e eu só lembro da versão racista.

Falar de brasileiros que eu conheço que tem medo de pessoas árabes.

Mas a música não foi a única coisa que ofendeu a comunidade árabe. Por exemplo a cena onde o mercador fala que vai cortar a mão da Jasmine por roubar a maça, lembram?

Ele disse que pior que essa cena, é que todas as pessoas da cidade de Agrabah são desenhadas e colocadas no filme como pessoas ruins e a imagem que você tem no filme, do mercado, das ruas, é que todo mundo é ruim. Ou seja, estereotipando o povo árabe, falando que todos são ruins.

Outro detalhe também. se você assistir o filme na língua original em inglês você vai perceber que os personagens ricos do filme: Jasmine e o pai dela, falam sem sotaque de árabe. Já todos os personagens ruins do filme, os vilões, falam com sotaque. Enfim a Disney quis deixar bem claro para quem quisesse ver o preconceito ali.

Ou seja, a Disney teve a oportunidade de pegar uma história que foi criada, cheia de racismo, misoginia e horror. eles tiveram a oportunidade de transformar isso em algo bonito. Ao invés disso, eles decidiram tornar algo bem pior.

Mas a gente não sabe disso, porque a gente escuta a musica e acha lindo.

E canta junto. E também porque temos sempre que ser curiosos e pesquisar o que há por trás das coisas bonitas que vemos por aí,

Ah Carol, tô com preguiça de pesquisar. Sem problemas eu trago esses assuntos aqui no canal para você,

ANÚNCIOS
ASSINE NOVIDADES
INSCREVA-SE!