• Carol Capel

A Verdadeira História de Pocahontas

A maioria das pessoas estão familiarizadas com a história de Pocahontas – a princesa nativo-americana que apaixonou-se pelo inglês John Smith, durante o auge do conflito entre os colonos ingleses e os povos das Américas.

Em 1995, a Disney lançou um filme de animação onde supostamente mostraria os eventos que desenrolaram-se na vida desta jovem. Embora a Disney seja conhecida por criar contos de ficção, muitas pessoas realmente acreditaram que tal registro da vida desta jovem, era um verdadeiro reflexo dos eventos ocorridos: o amor de Pocahontas por John Smith, a bravura que a jovem demonstrara ao salvar sua vida e o final trágico do explorador ao retornar à Inglaterra, a fim de procurar tratamento médico. No entanto, tal descrição é quase totalmente fantasiosa e muito pouco do que fora mostrado, designa a verdadeira história da mulher a quem conhecemos como Pocahontas.

O lançamento do filme Disney Pocahontas, ao contrário do que muitos acreditam, fez com que a nação Powhatan, naturalmente se sentisse bastante ofendida. O grande estúdio dizia ser aquela uma produção precisa, responsável e respeitosa; claramente era tudo, menos isso…

O filme distorcia a história desta mulher, para muito além da licença poética empregada em produções voltadas ao público infantil; ele escondia a luta desta mulher. A nação Powhatan havia oferecido ajuda aos estúdios, para que eles pudessem ministrar aos jovens uma produção de precisão histórica e cunho representativo, porém, a ajuda fora veementemente recusada.

Pocahontas nasceu em meados de 1595, filha de Wahunsenacawh, um chefe nativo-americano da nação Powhatan. Seu verdadeiro nome era Matoaka, embora às vezes ela fosse chamada de Amonute. “Pocahontas” era um apelido pejorativo, que significava “criança mimada” ou “impertinente”. A nação de Matoaka, fazia parte de um grupo de cerca de trinta nações de língua Algonquiana, localizada em Tidewater, Virginia.

De todos os filhos de Wahunsenacawh, apenas ”Pocahontas” é conhecida, principalmente porque tornou-se um tipo de heroína para os euro-americanos, como a “índia boa”, aquela que salvou a vida de um homem branco. Não é apenas a designação de ”índio bom/índio mau” fornecida pela Disney que soa problemática, a história, assim como muitos a conhecem, fora contada e registrada pelos próprios ingleses, que a falsificaram com a famosa liberdade poética em prol do ”entretenimento”.

Segundo a lenda, a jovem salvou o heróico explorador John Smith, de ser espancado até a morte por seu pai, em 1607 – é importante ressaltar, que ela teria cerca de 10 ou 11 anos na época. A realidade é que os companheiros exploradores de John Smith, descreviam-no como um homem muito diferente do senso comum histórico, ele era um ambicioso almirante, mercenário, interesseiro e aproveitador.

Na realidade, a primeira vez que John Smith contou a história sobre seu resgate, fora 17 anos após o ocorrido, sendo esta, uma das três versões relatadas pelo pretensioso Smith – que alegava ter sido salvo da morte por uma mulher proeminente.

No entanto, em um registro de Smith escrito após sua estadia de inverno com o povo Powhatan, ele sequer mencionou qualquer incidente deste tipo. Na realidade, o explorador informou ter sido mantido confortável e tratado de modo amigável como um convidado de honra do Chefe Powhatan e seus irmãos. A maioria dos estudiosos acredita que o “incidente Pocahontas” nunca ocorrera, tendo este, sido altamente improvável, uma vez que fez parte de um registro utilizado anos depois, como justificativa para travar uma guerra contra a nação Powhatan.

Durante a infância de Matoaka, os ingleses haviam causado inúmeros conflitos com os nativos americanos. Em 1607, John Smith, um almirante da Nova Inglaterra, chegou à Virginia de navio, juntamente com um grupo de cerca de 100 colonos.

Os norte-americanos devem se perguntar por que tem sido tão importante elevar as histórias de Smith ao status de mito nacional, dignas de ser recicladas pela Disney. Outro ponto extremamente problemático, é o fato deste estúdio ter transformado a pequena Matoaka, em uma jovem e sensual mulher.

O Batismo de Matoaka.

A verdadeira história da mulher a quem conhecemos por Pocahontas (passarei a chamá-la de Matoaka), assim como a maioria dos filmes Disney inspirados em histórias reais, tem um final triste.

Matoaka frequentemente visitava o povoado de Jamestown, a fim de ajudar os colonos europeus durante a época em que o alimento era bastante escasso. Aos 17 anos de idade, em 13 abril de 1613 – durante uma destas visitas -, Samuel Argall capturou a jovem como moeda de troca por alguns prisioneiros mantidos por seu pai. Ela fora cruelmente mantida refém em Jamestown por mais de um ano. Durante seu cativeiro, o plantador de tabaco John Rolfe – um viúvo de 28 anos – demonstrou um “interesse especial” na atraente jovem prisioneira, e acabou condicionando sua libertação, contanto que esta, concordasse em desposá-lo. Em seguida, Matoaka fora batizada como ‘Rebecca’ e em 1614, ela casou-se com John Rolfe – o primeiro casamento registrado entre um europeu e um nativo americano.


O Matrimônio de Matoaka

Pouco depois o casal tivera um filho, a quem deram o nome de Thomas Rolfe. Os descendentes de Pocahontas e John Rolfe, eram conhecidos como os “Red Rolfes” – uma alusão a denominação européia à cor da pele dos nativos-americanos. Dois anos depois, na primavera de 1616, Rolfe levou-a para a Inglaterra, onde a Companhia Virginia de Londres a utilizou em uma campanha de propaganda para apoiar a colônia de Virgínia, sustentando-a como símbolo de esperança para a paz e boas relações entre os ingleses e nativos americanos. ‘Rebecca’ foi vista como um exemplo de uma ”selvagem” civilizada e Rolfe fora elogiado por sua realização em trazer o cristianismo para as ”tribos” pagãs.


Matoaka

Na Inglaterra, ela participou de banquetes regados à bebidas e foi levada ao teatro. Foi registrado em uma ocasião, que quando Matoaka encontrou John Smith (que estava em Londres na época), ela ficou tão furiosa com ele, que virou-lhe as costas e saiu, ficando sozinha e triste por várias horas – muito diferente do caso de amor eterno entre os dois, conforme retratado no filme Disney.  Mais tarde, em um segundo encontro, ela o chamou de mentiroso e pediu para que deixasse sua presença.

Em Março de 1617, a família Rolfe partira para Virgínia. No entanto, durante a viagem, Matoaka ficou gravemente doente, tendo de ser levada para fora do navio, em Gravesend. Matoaka não completaria sua viagem de volta para sua casa. Ela morreu no local, em 21 de março de 1617, com apenas 21 anos de idade. Existem várias teorias sobre sua morte, que variam desde varíola, pneumonia, tuberculose, até envenenamento. Seu corpo fora sepultado em uma igreja em Gravesend, mas seu túmulo fora destruído em uma reconstrução posterior do local.


John Smith

Pouco tempo após a morte de Matoaka, o povo de Smith e Rolfe voltaram-se contra os nativos que outrora haviam compartilhado seus recursos com eles e haviam mostrado-lhes amizade. Durante a geração de Pocahontas, o povo de Powhatan foi dizimado e disperso, tendo suas terras tomadas pelos europeus. Tal padrão espalharia-se por todo o continente americano.

Foi apenas após sua morte e fama na Corte e sociedade de Londres, que Smith achou conveniente inventar que ela o havia resgatado. Matoaka – ou Pocahontas – não suportava a ideia das mentiras inventadas por ele, e resta-nos questionar, o que esta jovem mulher teria pensado desta produção, onde ela e seu povo, foram reduzidos à meros ”indígenas”, apaixonados súditos dos europeus.

ANÚNCIOS
ASSINE NOVIDADES
INSCREVA-SE!